CURTA NOSSA FAN PAGE

24 de junho de 2017

Other People disponível no NetFlix - Blog e-Urbanidade

Jessse Plemons e Molly Shannon
interpretam mãe e filho de
forma hilária e emocionante
Other People, disponível no NetFlix, conta a história de David (Jesse Plemons), escritor e gay, que volta para Sacramento para cuidar da mãe (Molly Shannon) em seu último ano de vida, diagnosticada com câncer. Essa dramédia de um pouco mais de 90 minutos, além de mostrar o declínio e o drama de uma doença tão avassaladora, tem como principal tema a relação mãe e filho.

Chris Kelly, diretor e roteirista de Other People, assina seu filme de estreia, após carreira de roteirista de televisão, como do show Saturday Night Live. Com 33 anos, espera-se que o rapaz surpreenda ainda muito em próximas produções, diante do seu ótimo script apresentado aqui.

O elenco de suporte é bem escalado, mas os grandes trunfos de Other People são as interpretações de Jesse e Molly em todos os momentos e camadas dos seus respectivos personagens. Aliás, é preciso dizer que Molly, que vem de longa experiência em comédias e no próprio Saturday Night Live, consegue mostrar uma Joanne tão real diante da sua doença que é impossível não se emocionar.

O filme estreou no festival de Sundance de 2016 e os atores Jesse e Molly ganharam o prêmio de melhor ator e atriz no Film Independent Spirit Award em 2017. Também Chris levou como melhor roteiro estreante.

Em tempo, no elenco está também Zach Woods (de Silicon Valley e The Office) em uma participação rápida, interpretando o namorado de David.

Vale a pena colocar na lista dos filmes a serem vistos no NetFlix. A história é mesmo emocionante e é possível dar algumas boas gargalhadas com a família de David e Joanne. O estranhamento e a dificuldade de conviver entre eles após tantos anos fora, tendo como ponto de contato apenas a mãe, torna Other People uma boa escolha para quem se interessa por relações familiares, amores, aceitação e autoaceitação.

19 de junho de 2017

Capitão Fantástico - Blog e-Urbanidade

Capitão Fantástico (Telecine- NOW) estreiou no final de 2016 e Viggo Mortensen já foi indicado ao Oscar 2017 na categoria de Melhor Ator. O filme parte  da história de uma família isolada em uma fazenda, praticamente sem interação com o mundo exterior. Os seis filhos de Ben  (Viggo) têm aulas e treinamento diário tornando-as crianças extremamente preparadas cognitiva e fisicamente.

Assim que a projeção de Capitão Fantástico se inicia o expectador passa a ser confrontado sobre os pontos de vistas positivos e negativos da empreitada do protagonista. E tudo se desmorona quando sua esposa, cúmplice no projeto, falece. A ida desta família à cidade espanta e, ao mesmo, levam à tona os conflitos dos filhos e dessa escolha.

O roteiro e direção de Matt Ross (ator que estrela Silicon Valley) têm grandes imagens, bonitas tomadas e aposta na excentricidade da família diante do mundo externo. Porém, o grande trunfo do roteiro está em apresentar uma crítica ao mundo contemporâneo e suas nuances, diante do mundo ideal, defendido por grande teóricos. Assim, essas importantes reflexões podem ser boas críticas ao mundo atual, mas não conseguem, por outro lado, dar conta de suas contradições.

Outro ponto de destaque do roteiro de Capitão Fantástico é a capacidade de apresentar seus personagens em diferentes camadas, não caindo em uma construção fácil e maquiavélica. Dessa forma, as interpretações de todo o elenco é muito eficiente. Mesmo que Viggo tenha levado a indicação ao Oscar e esteja muito bem, Casey Affleck  - Manchester à Beira Mar - não levou a melhor injustamente.

Capitão Fantástico é um achado diante de tantas verdades definitivas que as pessoas vivem soltando por aí. Necessário para quem leu grande pensadores, acredita nas suas críticas e talvez não tenha clareza nas suas limitações. Por outro lado, importante para aqueles que apostam no mundo capitalista, pois a grande verdade é que ninguém triunfou!

13 de junho de 2017

Transparent da Amazon disponível no Brasil - Blog e-Urbanidade

Transparent chega ao Brasil em plataforma
da Amazon
Finalmente já pode ser vista uma das séries mais comentadas e de sucesso nos Estados Unidos, Transparent (Amazon Prime Video) que conta a história de um pai de família que aos sessenta anos se assume transgênero.

Disponíveis as três temporadas, Transparent levou, por exemplo, o Globo de Ouro de Melhor Ator e Melhor Direção em 2015, após o primeiro ano de estreia, evidenciando a qualidade do show.

Na verdade, o trunfo da série está no universo criado ao mostrar a família Pfefferman e suas disfunções afetivas. Morton (ou Maura) é pai de três filhos que, na primeira temporada, apontam para as suas dificuldades de relacionamento. Em certo momento fica-se na dúvida se o conflito central da série é mesmo a questão do pai ou das relações da família, tanto com seus parceiros ou entre si.

Essas várias camadas e conflitos ficam evidentes, por exemplo, no fechamento do piloto quando Morton aparece a primeira vez vestido de mulher diante de alguém da família e surpreende um dos seus filhos aos beijos com um antigo amor, do mesmo sexo.

Transparent é uma série de 30 minutos e perfeitamente enquadrável como dramédia. A busca pela transparência, ou seja, ser visto como se é de verdade é um tema experimentado pela criadora Jill Soloway, que além de ter assinado séries como Sete Palmos (HBO) e O Mundo de Tara (FOX), passou por situação similar com seu pai. Além disso, quem assistiu essas séries sabe da capacidade da criadora em entender os mecanismos e dramas familiares.

Por fim, vale a pena lembrar que a plataforma Amazon Prime Video está disponível no Brasil para download em celulares e tablets. Infelizmente, a plataforma não está disponível, por exemplo, em Smart tvs. A boa notícia é que está com preços promocionais nesse início de operação.

11 de junho de 2017

Laerte-se (NetFlix) - documentário sobre diversidade - Blog e-Urbanidade

Igualdade e pluralismo são dois ícones da universalização dos direitos fundamentais das últimas gerações, claramente perceptível nas produções de sua época. Enquanto os anos 80 e 90 muitas criações traziam a questão do direito da mulher (por exemplo, a série brasileira Malu Mulher de 1979 - Globo), os anos 2010 trazem bons shows sobre a questão da diversidade de gênero em produções como Laerte-se (NetFlix) e Transparent (Amazon Prime Video).

Laerte-se na NetFlix

Disponível no NetFlix, Laerte-se,  realizado por Eliane Brum e Lygia Barbosa da Silva, é um olhar delicado e intimista sobre as transformações do cartunista Laerte Coutinho. É notória, principalmente pela mídia, a mudança do artista desde os anos 2005, com a morte do seu filho, em se vestir como mulher.

O que o documentário deixa muito claro é que esse novo reconhecimento de Laerte é, antes de mais nada, uma construção pessoal, sem muitas certezas e cheia descobertas diárias. Não existe na tela um cartunista construído e finalizado, muito pelo contrário, ele escancara alguns medos, traumas e até certezas feitas por caminhos nada lineares.

A documentarista de Laerte-se não tem a preocupação de ser invisível na tela. Sua interação expõe um clima de bate papo com o cartunista.

Além da exposição do caminho e do estranhamento do artista desde sua infância até a sua exposição como travesti aos sessenta anos de idade, nas relações familiares entre pais e filhos, o documentário aponta para temas diversos, como a arte, o momento político (impeachment de Dilma), os movimentos LGBT(x) e sua relação com a mídia.

Pode-se sinalizar para dois pontos altos da produção, como o paralelo feito entre a narrativa documental e os cartoons de Laerte, na transformação do seu personagem Hugo em Muriel em suas tiras. E, por fim, as cenas da nudez de Laerte deixando exposta a questão do que seja ser mulher, ou seja, é uma questão de autorreconhecimento ou está ligada aos órgãos genitais?

Vale a pena assistir para quem busca compreender melhor os caminhos e as dificuldades inerentes na questão de gênero de forma documental e realista.

Durante a semana postarei sobre Transparent, disponível no Brasil pela Amazon Prime Video

5 de junho de 2017

Mulher Maravilha - A Super Heroína - Blog e-Urbanidade

Gat Gadot interpreta a Princesa Diana
Demorou, mas chegou a primeira versão de Mulher Maravilha para o cinema, após tantos anos prometido, principalmente, para quem se lembra da série com Linda Carter na televisão, nos anos 80 e 90. A espera valeu a pena!

No dia 01/06/2017, em lançamento mundial, chegou ao cinema o filme Mulher Maravilha - A Super Heroína, estrelado por Gat Gadot, em uma produção orçada em 120 milhões e chega em vários tipos de salas e tecnologias. Em São Paulo, por exemplo, é possível assistir em 2D, 3D, XD, D-BOX, IMAX, 4D e dublado.

Após um rápida participação em Batman vs Superman - A Origem que pouco revelou sobre a atriz Gat Gadot, não há dúvida que a escolha da moça foi certeira. Eficiente e entregue desde as cenas de luta às dramáticas, mostra que a ex-Miss Israel chegou mesmo para fazer história.

Diretora e roteirista de séries de sucesso assinam a produção 

Além de todo o óbvio cuidado técnico da produção, o roteiro é um dos pontos fortes da trama. Allan Heinberg assinou o script depois de estar a frente de seriados como Grey`s Anatomy, Sex and the City, The OC, nosso querido Looking e muitos outros. Assim, fica perceptível a apresentação de uma Diana Prince humana e deusa, muito bem construída em 140 minutos de projeção. Allan também é um conhecido roteirista de histórias em quadrinho.

A diretora Patty Jenkis foi uma aposta do estúdio, após comandar também algumas séries como  Entourage - Fama & Amizade e o longa Monster - Desejo Assassino que deu o Oscar de Melhor Atriz a Charliza Theron em 2004.

Para finalizar,  Mulher Maravilha - A Super Heroína tem uma trajetória positiva, sem ficar nas grandes patinações psicológicas dos seus protagonistas. Tema chatíssimo e repetitivo em quase todas as sequência de super-heróis (Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge, Besouro Verde e outros).

Obviamente Mulher Maravilha está batendo todos os recordes e vale a ida ao cinema, tanto para quem gosta de blockbuster como quem curte filmes mais bem construídos e histórias potentes.

Não deixe de ver!

30 de maio de 2017

Uma Fuga Perfeita É Sem Volta - romance de Márcia Tiburi - Blog e-Urbanidade

Uma Fuga Perfeita É Sem Volta da filosofa e escritora Márcia Tiburi é, sem dúvida, um livro que exige fôlego. As mais de 600 páginas é um mergulho profundo na psiquê e no universo de um personagem marcado pela solidão e abandono.

Klaus Wolf Sebastião tem sua rotina solitária quebrada pela ida ao trabalho - onde é um desconhecido guardador de volumes em um museu em Berlim -,  reuniões num grupo de filosofia  e, por fim, ligações anuais à família brasileira. E, em um dessas ligações, descobre que seu pai morrera e não fora avisado, dando o pontapé inicial para uma série de elucubrações do personagem até a sua final redenção.

Esta foi a minha primeira imersão em uma obra da autora em que tenho certa admiração pelas suas ideias desde o Saia Justa (GNT). Confesso que me foram sempre muito lúcidas e imaginei que sua ficção iria por ai.

Escrito em primeira pessoa, não tenho dúvida ser um dos personagens mais bem construídos que tenha lido nos últimos tempos. Sua percepção clara de quem é Klaus vai fazendo que as idas e a vindas àquela ligação inicial vá construindo e desconstruindo um homem em busca da sua própria identidade.

Não é um livro fácil. Exige esforço para quem se dedica a devorá-lo. Enquanto Ove (Minha Luta 1 - A Morte do Pai) e Minha Luta 2 - Um Outro Amor) descreve longas reflexões a partir do seu cotidiano e os papéis assumidos nele; Tiburi vai num nível ainda mais profundo do seu personagem, na percepção de sua singularidade e estranhamento. Para isso vale usar desde citações de Nietzsche, Dostoiévski e, porque não, Saint-Exupéry.

Pela capa já tinha uma ideia de quem seria Klaus ao final da história, porém isso em nada diminui o poder do epílogo. Em determinado momento, quando o personagem procura pela chave e se sente trancado por dentro do seu próprio apartamento, me identifiquei com a ideia de Almodóvar em A Pele Que Habito. Ali se concretiza a revelação e a redenção do protagonista.

Recomendo a leitura para quem busca boas histórias, sem grandes viradas, mas com personagens profundos, bem construídos e com uma visão extremamente sensível sobre a busca de identidade.

Boa leitura.

Uma Fuga Perfeita É Sem Volta 
Autor: Marcia Tiburi
Editora: Record
616 páginas

24 de maio de 2017

Peça Nosso Luto fica em cartaz em Junho - Blog e-Urbanidade

Nosso Luto, peça do jovem ator, diretor e dramaturgo Kiury, trata de um assunto tabu – a morte - com poesia. Com direção de Rodrigo Ferraz, o espetáculo conta com a presença de Ju Carrega, Sergio Seixas, Carola Valente e Danilo Rodriguez no elenco.

A dramaturgia foi concebida a partir do sentimento de dor pelo falecimento de alguém e a dificuldade de encarar o vazio trazido pela morte. Como aceitar a nova realidade? Como recuperar a força de viver quando a vontade é partir junto com um ente ou um amigo querido?

O espetáculo esbarra na espiritualidade, mas é para qualquer pessoa, independente de crença ou não crença¨, conta o autor. O que interessa é mostrar a história de pessoas que estão em busca da sua essência e de superar as suas dores, num mundo em que, apesar das adversidades, ainda impera o calor humano.

O espetáculo estreia dia 09 de junho e encerra 30 de junho. Após as sessões, haverá bate-papo com um psicólogo convidado.


Serviço:
Teatro Ribalta
Rua Conselheiro Ramalho, 673 – Bela Vista – São Paulo/SP.
Sextas-feiras, às 21h. (de 09/06/2017 até 30/06/2017).
Ingressos: 40 reais (inteira) e 20 reais (meia).
Faixa Etária: 14 anos.

21 de maio de 2017

Las Chicas é um pequeno tesouro localizado em PInheiro - Blog e-Urbanidade

 O Las Chicas - Gourmet Garage é um destes lugares cheios de personalidade perceptível assim que se adentra seu jardim. Localizado na Oscar Freire, lado Pinheiros, o lugar pequeno é charmoso, com decoração descoladas e com comidinhas bem interessantes expostas no balcão.

A casa oferece café da manhã, almoço, café da tarde e jantar e, se quiser mais, ainda pode-se levar para casa nas opções do Menu To Go. Fui no café da manhã e encontrei boas opções de desjejum, propostas em bandejas com combos que serve dede o café simples ao maravilhoso ovo soft na torrada na opção salmão ou presunto artesanal.

Mesmo que não escolha alguns dos combos, existem opções a la carte, porém recomendo muito a coalhada com granola, com receita caseira e deliciosa. Também o pão de queijo estava ótimo como um goiano gosta.

Las Chicas originalmente nasceu da parceira da chef Carla Pernambuco e sua fiel escudeira Carolina Brandão, porém a sociedade foi desfeita há alguns anos para Carla focar no seu impecável restaurante Carlota.

Recomendo uma ida ao restaurante que tem preços bons e oferece boa gastronomia sem mirabolantes invenções, focado em comida criativa e gostosa.

Serviço:
Oscar Freire, 1807
Segunda a Quinta - 9h às 23h
Sexta e Sábado - 9h às 24h
Domingo e Feriado - 9h às 17h
site: www.laschicas.net.br

16 de maio de 2017

Minha Urbe: Avenida Paulista - Blog e-Urbanidade

Quem vem a São Paulo tem que dar uma volta pela Avenida Paulista, certo? A sugestão é sempre deixar um dia para bater perna pelas mediações. Para quem mora aqui e tem um dia de folga, a região tem ótimas opções de lazer e culturais.

Lembro que aos domingos a via está fechada e uma caminhada por lá é sempre bem-vinda. Há apresentações de artistas locais e mistura de todo o tipo de gente, é quase uma imersão antropológica na urbe local.

MASP
Nessa caminhada lugares obrigatórios são o Sesi e o Masp. Dê uma olhada na programação desses espaços. Se não tiver uma exposição marcante, conhecer o Masp por dentro é preciso por ser um dos grandes marcos da arte brasileira.

Próximo dali o Conjunto Nacional abriga algumas exposições no seu pátio interno e aproveite para ficar um bom tempo dentro da Livraria Cultura. Tome um café folheando alguns livros ou revistas e também dê uma olhada na programação do teatro Eva Herz, no último andar.

Se a fome bater, na hora do almoço desça pela Haddock Lobo e aproveite um dos melhores picadinhos de Sampa e que levou vários prêmios pelo prato, Na Cozinha Restaurante. E guarde espaço para o churros da sobremesa.

Aos domingos a feira do Shopping Center 3 é uma boa parada. Os estandes têm produtos personalizados e difíceis de encontrar em outros lugares. Com camisetas para geeks a semijoias é o momento de encontrar alguma coisa diferente para você ou presentes. Se não encontrar tudo ali, vá dar uma sapeada pelas lojas com venda compartilhada pela rua Augusta. O acesso a rua é feito por uma das saídas laterais do shopping.

Para terminar, aproveite para tomar um chope em algum barzinho da Augusta. Recomendo o bom Athenas. Além do lugar ser descontraído, se a fome apertar o custo-benefício é o seu ponto alto.

Muitas outras possibilidades existem na região, mas aqui vai uma primeira sugestão. Espero que se divirtam.

Serviço:
Sesi - nº 1313
Masp - nº 1578
Conjunto Nacional (Livraria Cultura e Teatro Eva Herz) - nº 2073
Na Cozinha - Rua Haddock Lobo, 955
Shopping Center 3 - nº 2064
Athenas - Rua Augusta, 1449

12 de maio de 2017

Hotel Mariana no Espaço Satyros leva depoimentos reais para o palco - Blog e-Urbanidade

Foto: Divulgação
A Estação Satyros, em São Paulo, recebe o espetáculo Hotel Mariana que traz relatos de sobreviventes da tragédia de Mariana (MG), que ocorreu em novembro de 2015. A montagem é construída a partir da técnica chamada de verbatim na qual a dramaturgia é feita com depoimentos de moradores de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo, distritos soterrados de Mariana.

Com direção de Herbert Bianchi, dez atores recontam fielmente o que está ouvindo, reproduzindo não somente as palavras, mas também a musicalidade, o sotaque e certos recursos expressivos típicos da oralidade, como suspiros, pausas e pigarros, que as acompanham. Os depoimentos – reais – foram colhidos por Munir Pedrosa, que idealizou o projeto e esteve na cidade uma semana após o rompimento da barragem.

Mesmo que teatro documentário não seja uma dramaturgia recente, o verbatim tem origem no teatro britânico na última década. A força desse estilo está na possibilidade de apresentar fatos e acontecimentos reais e atuais de forma imediata.

Serviço
Hotel Mariana
Até 10 de julho.
Sábados e segundas às 20h  e Domingos às 18h
Estação Satyros
Praça Roosevelt, 134
Classificação: Livre
Sábados e domingos: R$ 30
Segundas: Grátis

10 de maio de 2017

Chega ao cinema o novo filme de Ira Sachs: Melhores Amigos - Blog e-Urbanidade

Melhores Amigos (Little Man) do diretor Ira Sachs, roteirista e diretor de O Amor é Estranho (disponível no Now - Net) e Deixe a Luz Acessa (disponível no Netflix), acerta a mão em um filme curto, simples, com uma história potente e sem maniqueísmo na construção dos seus personagens. Sua fórmula em construir histórias que saímos do cinema sem saber de que lado ficar, parece mais refinada nessa produção.

Ao final da projeção de Melhores Amigos fiquei pensando naquelas máximas de uma boa história cinematográfica, tais como a jornada do herói e o arco dramático. Encontrar esses elementos não parece tarefa fácil, mas, sem dúvida, isso está lá. Dessa vez Sachs conta a história de dois adolescentes - interpretados por Theo Taplitz e Michael Barbieri - que ficam muito próximos e por causa de rixas familiares tem a relação envolvida.

Com certeza todo mundo deva ter um amigo de infância ou adolescência que a vida tenha distanciado, certo? E talvez esse seja o ponto de contato imediatamente feito com o expectador. É mostrado, ainda, como as relações entre os pais podem e influenciam nas amizades dos seus filhos . Assim, os atores Greg Kinnear e a chilena Paulina Garcia crescem na história e conseguem humanizar seus personagens e pontos de vista.

Não vá esperando um filme com grandes reviravoltas, interpretações memoráveis e grande clímax no final. Melhores Amigos é para assistir buscando entender a complexidade humana, as disputas de poder e o desenvolvimento de relações afetivas e, sutilmente, as homeafetivas. Tudo isso de forma leve, sensível e sem truques emocionais.

Vale a pena ver, mesmo achando que O Amor é Estranho seja um filme melhor construído.

6 de maio de 2017

Le Bife - restaurante do jurado do MasterChef no Itaim - Blog e-Urbanidade

Foto - divulgação
Fui conhecer mais um restaurante do trio MasterChef Brasil (Band) e, dessa vez, conferi o Le Bife de Erick Jacquin no Itaim Bibi. Não sei se tive sorte, mas fui recepcionado à porta pelo próprio chef. Na mesa, o atendimento foi imediato e a casa oferece uma proposta um pouco diferente: escolhe-se a carne, o molho e as guarnições vão passando, como em um rodízio.

As opções de carnes são filé mignon, entrêcote, porco, cordeiro, peixe e frango.  Em seguida, é preciso escolher entre cinco opções de molho. Eu pedi o poivre e não gostei muito, faltou pimenta! Mas o de mostarda estava bem mais interessante. Se ficar na dúvida entre os dois, com certeza, vá no segundo!

Primeiro, é servida uma salada verde muito bonita e com molho bem interessante, incluindo nozes torradas. Assim que as carnes chegam à mesa são postas batatas em palito e começam a passar as guarnições. Pode parecer estranho recomendar legumes, mas gostei muito dos que passaram, um pouco al dente e bem temperados. Também o cuscuz marroquino é imperdível. O restante é ok! Ah, o creme de espinafre pode deixar passar.

A carta de vinhos é realmente um capítulo a parte. Com garrafas a partir de R$ 73 (preço do dia 04/05/2017) e é possível escolher dentro de faixas de preço e localização.

O preço é um pouco salgado, por exemplo, o entrêcote - e todos esses acompanhamentos - vai custar por volta de R$ 100. Porém, a carne é de ótima qualidade.

Com certeza, vale a experiência gastronômica, mesmo que no bolso pese um pouco.

Serviço
Rua Pedroso Alvarenga, 1088 – Itaim Bibi
(11) 4324-0783

3 de maio de 2017

Barbixas presenteiam com ingressos grátis no mês das Mães - Blog e-Urbanidade

Daniel Nascimento, Anderson Bizzocchi e Elidio Sanna
E3 Fotografia 
O espetáculo Improvável está com uma promoção inusitada. Durante o mês de maio, a Cia Barbixas de Humor fará uma promoção especial às mães, presenteando-as com ingressos gratuitos nas apresentações do espetáculo que acontece todas as quintas-feiras, às 21h30, no Teatro Tuca, aqui em Sampa.

Para conseguir os ingressos o filho deve comprar na bilheteria, obrigatoriamente com a mãe do lado. A bilheteria funciona das 14h às 20h, de terça a domingo e, às quintas-feiras, até o início do espetáculo.

Mais de dez anos em cartaz, Improvável reúne o trio de humoristas Anderson Bizzocchi, Daniel Nascimento e Elidio Sanna (os Barbixas) e é um espetáculo de improvisação teatral que se utiliza de jogos e cenas artísticas com vertente humorística.


Serviço 
Improvável - Cia. Barbixa de Humor
Teatro TUCA - Rua Monte Alegre, 1024, Perdizes, São Paulo
Todas as quintas-feiras - 21h30
Ingressos: R$70,00 (inteira) | R$ 35,00 (meia)
Em todas as quintas-feiras de maio as mães não pagam ingressos, desde que compareçam com seus filhos no momento da compra feita diretamente na bilheteria.
Bilheteria do TUCA: de terça a domingo das 14h às 20h.
Pela Internet: site www.ingressorapido.com.br
Informações: (11) 4003-1212

30 de abril de 2017

Três séries para quem gosta de boas histórias - Blog e-Urbanidade

Para aproveitar o feriado, vão aqui três dicas de seriados marcantes por boas histórias, excelentes interpretações e produções extremamente bem finalizadas. São eles Olive Kitteridge (HBO), Feud (Fox) e The Big Little Lies (HBO).

The Big Little Lies (HBO)

The Big Little Lies já vale a pena pelo elenco, ao reunir nomes como Reese Witherspoon (imperdível!), Nicole Kidman (talvez seja seu melhor papel até aqui), Shailene Woodley e Laura Dern. No roteiro a história de um grupo de mães de uma escola de educação infantil, onde a aparente vida normal vai sendo desmistificada a medida que as tragédias e os ressentimentos pessoais e familiares vão sendo mostrados, culminando em um assassinato. A trama tem um jeito da minissérie brasileira Rebu, que até certo ponto você não sabe quem morrerá e, muito menos, quem matou.

Adaptado do livro homônimo de Liane Moriarty, sem dúvida é um olhar detalhado sobre a vida da classe média e como um véu de aparência pode mascarar a vida como ela é.

Os episódios foram disponibilizados semana a semana - aliás gosto bastante deste formato -, porém já estão disponíveis os sete capítulo no HBO GO - NOW. Não deixem de ver!

Feud (HBO)

Feud também reúne duas grandes atrizes Jessica Lange e Susan Sarandon vivendo a história de duas lendárias figuras do cinema norte-americano: John Crawford e Bette Davis. Artistas dos anos 1940 e 1950, elas se viram sem grandes papeis em certo momento da vida, assim voltam ao cinema fazendo O Que Terá Acontecido Com Baby Jane?

As rivalidades e admirações mútuas das atrizes carregam um show cheio de bons momentos e ótimas interpretações. Criado a partir de um longa, depois desenvolvido para os sete capítulos, também foi disponibilizado semanalmente na Fox, aqui no Brasil. Está também disponível no Now, neste momento. É muito bom de ver.

Ainda valem duas informações, a primeira é que Feud terá nova temporada, agora irão focar nas rixas do príncipe Charles e Diana. E, por curiosidade, está em cartaz no Rio, neste momento, o espetáculo O Que Terá Acontecido Com Baby Jane? No elenco carioca está Eva Wilma e Nathalia Timberg. Na temporada em São Paulo estavam Eva e Nicete Bruno.

Olive Kitteridge (HBO)

Olive Kitteridge estreou na tevê americana em 2014 e saiu ganhando quase todos os prêmios a partir dai. Estrelado pela sempre ótima Frances McDormand (consagrada na sua interpretação em Fargo), a série apresenta a história de vida de moradores de uma cidade do interior dos Estados Unidos, contado a partir do olhar amargo e duro da professora de matemática aposentada Olive.

Também adaptado do livro homônimo de Elizabeth Strout, a dureza da personagem principal e suas falas cruéis, imperceptíveis por ela mesmo, fazem do show um achado para quem gosta de histórias que mergulham na psiquê. Em certo momento é possível entender aquela mulher e perdoá-la por dizer ou fazer aquilo ou isto.

Como disse, a série não é tão novidade e está sendo apresentada nos canais HBO Max e HBO Max HD nestes dias.

Bom feriadão para todos!

27 de abril de 2017

Silicon Valley - Blog e-Urbanidade

Silicon Valley, disponível no HBO GO,  é uma série imersa nos conceitos e universo geek que, ao primeiro olhar, pode parecer insípido, mas nada disso é o que acontece quando os personagens vão sendo apresentados e as risadas vão sendo soltas.

Richard e seus amigos são aqueles típicos rapazes de garagem do lendário Vale do Silício, nos Estados Unidos, onde estão a maiores empresas de tecnologia do mundo. O sonho americano de ficar rico de um dia para o outro com um aplicativo é a premissa da série, é a Serra Pelada da moçada.

Parece quase impossível não se envolver com a jornada dos personagens ao fazerem com que a Pied Piper deslanche, daí vale tudo, desde a timidez de Richard, aos amigos com suas diferentes particularidades: Erich (interpretado por T. J. Miller e vem levando alguns prêmios de ator coadjuvante), Jared (protagoniza ótimas cenas usando aquele jargão corporativo) e a dupla Dinesh e Gilfoyle (com suas questões sobre mulher e cidadania).

A quarta temporada está sendo apresentada na HBO e, pelo o que tudo indica, a série tem vida longa. O criador Mike Judge foi um destes jovens do Vale do Silício nos anos de 1980, assim parece que tem bastante prioridade para criar novas histórias desta turma, em conjunto com seus outros roteiristas, John Altschuler e Dave Krinsky.

São boas as tiradas e sátiras dos episódios tanto do mundo do vale, com seus personagens nerds, tanto das ironias do mundo corporativo, por exemplo, as reuniões de marketing feitas em cima de uma bicicleta. Sem falar no papo altruísta de criação de um mundo melhor vinda dos poderosos das empresas, mas que fazem qualquer coisa em favor da vaidade e da riqueza.

Não deixem de ver!