CURTA NOSSA FAN PAGE

8 de janeiro de 2017

Please Like Me - seriado australiano no NetFlix

Divulgação
Férias tem destas coisas, tempo livre para zapear os canais e filmes do NetFlix. Foi assim que cheguei em Please Like Me, seriado da tevê australiana que tem um humor refinado, mesmo tocando em assuntos nada leves, como suicídio, rejeição, separação, morte e preconceito.

O primeiro episódio dá logo o traço principal que seguirá pelas três temporadas que estão disponíveis no NetFlix, a história de um rapaz que chega aos vinte um anos e termina o namoro com uma menina que, além reclamar da falta de comunicação do casal, ela diz que Josh (Josh Tomas) é claramamente homossexual. Josh é fruto de uma família de pais separados, o pai é casado com um tailandesa em uma relação longe de ser afetiva e a mãe acaba de cometer suicídio.

Todos esses temas vão sendo apresentados, como a dificuldade de Josh se auto-aceitar, a relação conflituosa com o "namorado" Geoffrey (Wade Briggs), as inseguranças da sua mãe depressiva, a relação entre religião e amor, muito bem apresentada na cena em que tia Peg (Judi Farr) protagoniza na igreja, após o pastor condenar as relações homo-afetivas. Na minha opinião, um dos pontos altos da primeira temporada. Também é preciso falar que tia Peg protagoniza as melhores e mais deliciosas cenas dessa fase, incluindo o último episódio.

Por que vale a pena assistir Please Like Me, além desta introdução inicial? Primeiro, Josh, protagonista, é também o ator, roteirista e diretor do seriado. Assim, o personagem principal homônimo é claramente autobiográfico, dando aquele mesmo sentimento de proximidade entre ficção e realidade presente, por exemplo, tão fortemente em livros com a série A Minha Luta (Minha Luta 1Minha Luta 2). Isso representa aquela máxima que o local sempre é global, além de uma baita coragem do criador.

Outro fator que para mim é fundamental em qualquer seriado: episódios curtos, em torno de 25 minutos. Eu tenho muita preguiça em assistir episódios longos e isso me motiva bastante em seguir em frente, principalmente de ter avançado pelo primeiro capítulo.

Confesso que fiquei um pouco incomodado com a incapacidade do roteiro ser construído sem mergulhar de cara nos conflitos, pois muitas vezes eles são apresentados e tratados de forma rápida. Mas, isso vai sendo desconstruído (e entendido) assim que os episódios vão sendo mostrados. E isso passa ser o ponto alto do roteiro, ou seja, os conflitos são tratados sem linearidade, assim como acontece na vida da gente, afinal muitas vezes a gente tenta fugir deles e vai tocando em frente. E o humor é fundamental para essa forma de ir vivendo e não mergulhando nos conflitos. Com certeza, isso torna o seriado genial. (Digo ainda que me identifiquei com essa "forma" de viver de Josh e sua família).

O seriado foi apresentado na Austrália e Estados Unidos em 2013, primeira temporada, e as sequências seguintes nos anos consecutivos. No Netflix chegou em novembro de 2016 com a apresentação das três temporadas, já com anúncio da quarta nos Estados Unidos.

Please Like Me é um achado para quem gosta de boas histórias, comédia leve, dramas pessoais bem construídos e, de alguma forma, se identificar com os conflitos de se achar estranho em algum momento da vida. Uma mãe depressiva, uma madrasta tailandesa e um filho gay são para lá de um mergulho na diversidade presente no mundo de hoje, e Please deixa claro que não adianta fechar os olhos para isso.

Assistam!




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário.